SOLTO AO VENTO

Leve como a pluma,

Solto ao vento

O pensamento flui

E a alma desnuda

Confessa seus medos e segredos.

 

Rodopiando ao som da música

Os sentimentos se misturam

E o coração exulta

Na liberdade de sentir.

 

Tudo que estava retido no peito

Está liberto e com novo sentido.

Flutua solto ao vento.

 

 

Sentimos muito para dentro e pouco para fora, vivemos amarrados em complexas teias de comunicação e comportamento que vamos criando com as pessoas motivados por nossos medos, receios, anseios e outros sentimentos que tanto nos limitam. Nós amamos as criancinhas por sua espontaneidade e sentimentos sinceros, assim como os animais que simplesmente amam, sem exigências, sem olhar cara ou qualquer característica. São expressões puras dos próprios sentimentos.

Se admiramos tanto essa forma de sentir, porque nos distanciamos tanto disso ao longo da vida? Certamente cada um encontrará alguns motivos que faz com que sejamos assim. Claro que é complicado viver em sociedade indo contra a maré e muitas vezes nos deixamos levar sem saber muito bem por qual outro caminho poderíamos percorrer. Mas e se as coisas não precisassem ser assim tão complicadas? Se pudéssemos apenas exprimir e aceitar sentimentos verdadeiros, como seria? Não falo de impulsos, de vontade de dizer isso ou aquilo, falo de sentimentos e vontades reais. Aquelas que vivem em nós e mudam a forma como vivemos nossas vidas.

Quantas vezes você deixou de dizer para alguém que você gostava daquela pessoa e ficou se arrependendo porque gostaria de ter dito, gostaria que ela soubesse. Quantas oportunidades de abraçar alguém, fazer um carinho, ou demonstrar afeto de alguma forma passaram por você e você não fez nada por algum motivo bobo? Quantos momentos você fez coisas que não gostava repetidamente por causa dos outros e nunca nem deixou que os outros soubessem que não gostava? São diversas situações, são vários sentimentos represados e poucos vivenciados externamente. Enquanto você viver num mundo interno e em outro externo as pessoas nunca te conhecerão de verdade, nem mesmo você vivenciará quem é você de verdade. Por isso, permita-se sentir mais, permita-se descobrir-se mais e deixar que os outros descubram você também (ao menos aquelas pessoas que mais importam). Sim, os outros podem estranhar, mas e daí? Comece com pequenas mudanças a partir de agora, por que não? Viver leve e feliz é algo que não tem preço.


 

Gostou? Compartilhe o texto pelas redes sociais :)