Existe uma lei universal que se refere ao mínimo esforço necessário para se fazer algo. Você não verá uma planta consumindo mais energia que o necessário para o seu crescimento. Assim como não verá os pássaros migrando se não houver necessidade. Se faz o necessário para se obter o resultado essencial para seguir em frente.

Isso é a inteligência universal em ação criando um movimento harmônico onde diferentes forças se integram e não há desperdício. Quando o ser humano entende até que ponto vale, ou não, a pena o esforço que está despendendo, é possível ser mais eficiente e ter melhores resultados usando a lei do mínimo esforço.

 

AS PESSOAS VALORIZAM O ESFORÇO

 

Quando alguém conquista algo as pessoas logo procuram perceber a quantidade de esforço que ele teve para ter aquilo que conquistou. Se alguém enriqueceu de forma rápida, por exemplo, logo surgem comentários do que poderia estar por trás disso. Se a pessoa foi desonesta, se teve facilitações ou se é uma pessoa com muita sorte.

Isso vale para todo tipo de conquista, para a pessoa que namora alguém muito cobiçado, para quem conquistou determinada vaga, quem passou num concurso disputado na primeira tentativa. Quanto maior a conquista, maior o número de comentários e teorias a respeito do que a pessoa teve que fazer para chegar lá.

Difícil encontrar alguém que fique verdadeiramente feliz pela conquista do outro. Especialmente quando essa conquista é algo que ele gostaria de ter alcançado e não conseguiu. Geralmente isso faz a pessoa que assiste a vitória do outro se sentir inferior, com sentimento de fracasso por ela não ter chegado aonde a outra pessoa chegou.

 

AS PESSOAS VÃO TE DERRUBAR SE VOCÊ PERMITIR

 

Existe uma crença de que uma conquista deve vir pelo caminho do sofrimento. De que aquilo que é bom só se alcança pelo trajeto mais longo. Se alguém consegue algo de maneira muito fácil tem algo errado.

Para as pessoas que não buscam formas diferentes de fazer o que fazem, que não buscam soluções para os seus problemas, ter por perto pessoas que não se acomodam e tentam fazer diferente é incômodo.

Para aqueles que desejam que tudo continue igual é mais fácil derrubar os que estão subindo para novos patamares do que se movimentar para tentar subir também. Essa atitude de derrubar o outro é para manter sua zona de conforto intacta. Ninguém poderá cobrar dela mudanças se aqueles que decidem mudar estão no caminho errado.

Pessoas que tem esse ímpeto de querer derrubar os outros estão por todo lugar. Se você se deixar envolver pela energia dessas pessoas terá dificuldades em conquistar aquilo que quer. Para encontrar as formas mais fáceis e eficientes de realizar algo é preciso se libertar do senso comum.

 

VIVENCIANDO A LEI DO MÍNIMO ESFORÇO

 

A lei do mínimo esforço não se resume apenas a palavra fácil. É preciso que essa facilidade esteja associada com eficiência. Vivenciar a lei do mínimo esforço é alcançar os resultados necessários da maneira mais simples e com o menor esforço possível.

Isso pode ser aplicado em qualquer situação em que você esteja buscando um objetivo. Se você deseja comprar um smartphone, por exemplo. Talvez você esteja trabalhando para juntar dinheiro para comprar o melhor modelo disponível.

Ao refletir sobre a compra do smartphone você percebe que não precisará de todas as funcionalidades e poder de processamento que esse modelo possui. Então você decide que irá comprar um modelo um pouco mais barato que é o suficiente para suprir suas necessidades de uso.

Nesse exemplo você teria trabalhado menos tempo e feito menos esforço para alcançar um resultado satisfatório. Essa decisão não satisfaz apenas os seus interesses em relação ao smartphone, mas também possibilita que logo você possa se dedicar a outro objetivo.

Agora imagine isso aplicado ao longo de uma vida inteira. Quanto tempo disponível, quantas possibilidades você poderia criar ao buscar soluções mais focadas naquilo que realmente quer e precisa.

 

NÃO CONFUNDA AS COISAS

 

Se em algum momento você pensou que ser mais eficiente com a lei do mínimo esforço se refere a obter resultados incompletos ou que não são bons, então se enganou. A lei do mínimo esforço se trata de conseguir os resultados necessários da maneira mais simples e objetiva possível.

Imagine um animal selvagem que caça para se alimentar. Ele sempre procura as presas mais fáceis para abater. Isso reflete tanto na seleção natural do mais forte e apto para sobreviver no grupo de animais que são as presas, quanto no mínimo esforço realizado pelo caçador para saciar sua fome.

O animal poderia saciar sua fome ao caçar qualquer animal do bando, mas ele escolhe aquele que irá exigir menor gasto de energia dele. O trabalho dele se torna mais fácil, rápido e obtém o resultado necessário.

A natureza funciona dessa forma, buscando conservar e transformar a energia da maneira mais eficiente possível. O ser humano acaba se perdendo na busca por essa eficiência quando não tem os resultados necessários claros. Quando se deixa levar pela crença de que mais é melhor.

 

FELIZ E EFICIENTE COM A LEI DO MÍNIMO ESFORÇO

 

É muito bom quando existem várias possibilidades, quando não há falta de algo, quando as realizações acontecem em sequencia e fazem parte da vida. A abundância é algo que as pessoas almejam e podem passar uma vida toda correndo atrás dela sem alcança-la.

O grande problema aqui é que as pessoas confundem a corrente contínua de possibilidades e realizações que a abundância traz com a ideia de acúmulo incessante de algo que seja bom para elas. Pense no dinheiro e isso fica claro.

Usando o dinheiro como exemplo é fácil perceber essa fome insaciável. O dinheiro é o rei para o que é material. Possibilita comprar quase tudo que se imaginar. Logo, as pessoas entendem que o dinheiro fará elas felizes e buscam acumular o máximo de dinheiro possível durante a vida.

Mesmo sem saber o que querem obter com esse dinheiro as pessoas procuram acumular e acumular. Também vale para as pessoas que gastam compulsivamente. Compram coisas desnecessárias e, geralmente, nem chegam a utilizar. Vivem num ciclo eterno de buscar dinheiro para gastar, mesmo sem usufruir o que compram.

A partir do momento que você percebe o que precisa, não gasta mais energia com o que não irá lhe gerar resultados verdadeiramente benéficos. Deixar de ser refém dos impulsos e do pensamento que provém do senso comum não é uma tarefa fácil, mas é libertador.

Faça uma análise dos seus objetivos e das coisas que almeja conquistar. Questione se essas metas valem o esforço e até que ponto. Não tente reter ou se limitar a algo bom que conquistou. Se libertar do apego lhe dá a liberdade necessária para sempre buscar o seu melhor. Seja mais eficiente e aproveite a lei do menor esforço.

 

Lei do mínimo esforço - Infográfico

Rodrigo Poiesis
Últimos posts por Rodrigo Poiesis (exibir todos)