Você está aí vivendo a sua vida normalmente, talvez esteja passando por um momento bom, talvez esteja passando por um momento ruim. No geral as pessoas seguem numa média no qual vivenciam fases boas e ruins e se condicionam de que a vida é assim. Em última análise, ser a sua melhor versão tem a ver com ter uma vida melhor.

A princípio, quando pensamos no que representa ser sua melhor versão, pensamos no desenvolvimento pessoal e em tudo que podemos fazer para nos aperfeiçoar. Isso é a essência do processo para ser a sua melhor versão. No entanto, o resultado que se espera não tem a ver com ser melhor, mas o que melhora na vida com isso.

É importante ter isso em mente, porque muito se fala em se tornar uma pessoa melhor, em melhorar suas aptidões, a forma de se comunicar e relacionar, entre outros quesitos. Mas nem sempre fica claro porque se fala tanto disso ou porque se deveria mudar. Um destaque para a palavra mudar, pois essa é uma palavra que incomoda muita gente.

 

SE VOCÊ É ACOMODADO ISSO NÃO É PARA VOCÊ

 

É próprio da natureza dispender o mínimo esforço necessário para manter a vida. Isso elimina desperdícios e direciona a energia para que seja usada efetivamente no que é necessário. Aqui pode surgir um problema para o ser humano quando se apoia nesse sentimento de menor esforço para se acomodar.

No espaço entre o comodismo que poupa energia para garantir a sobrevivência e a atitude de realizar uma ação para se tornar melhor há um abismo. De um lado estão as pessoas que vivem para comer, dormir, se divertir, formar uma família e construir uma estrutura que dê as melhores condições para isso acontecer.

Do outro lado estão as pessoas que enxergam que a vida é algo mais do que sobreviver e que estar vivo não é suficiente. Além de boas condições de vida e da perpetuação da espécie existe uma realidade desconhecida que nos circunda e que podemos nos integrar. São pessoas que, em algum momento, descobrem em si mesmas um universo inteiro (leia também o texto Solitude: o seu espaço com você mesmo).

Para atravessar esse abismo para ir além da sobrevivência é preciso de uma força que ultrapasse a barreira formada pelo comodismo. Se você está buscando ser a sua melhor versão porque seu chefe, esposa, marido, namorado, amigo ou qualquer outra pessoa lhe cobrou, você só encontrará frustração pela frente.

 

 

A FORÇA NECESSÁRIA PARA MUDAR

 

Não dá para falar em se tornar a melhor versão de você mesmo enquanto você vive no modo sobrevivência. Nessa fase você está complemente amarrado com o comodismo e com uma visão limitada da vida, consequentemente, de si mesmo. Para ser a sua melhor versão é necessário que a vontade seja autêntica e venha de você.

A medida que você vai vendo as possibilidades que existem ao seu redor e vai desenhando em sua mente a pessoa que quer se tornar, um objetivo vai tomando forma. Esse objetivo que irá direcionar as ações geradas pela força da mudança que é emprega hoje para se tornar a sua melhor versão.

Dá até para montar uma fórmula com esses ingredientes: nova percepção da realidade (entendendo suas potencialidades) + objetivos (direção que está indo) + ação (concretizada pela força, desejo de mudar) = a sua melhor versão.

 

SUA MELHOR VERSÃO NÃO É UMA PARADA FINAL

 

Engana-se quem pensa que se tornar a sua melhor versão é chegar a sua capacidade máxima. Isso pode ser entendido dessa forma se limitado a um período específico de tempo. O que quero dizer com isso é que para cada momento em que você vive você pode atingir um determinado potencial.

Neste momento você vive dentro de determinadas condições com uma percepção muito particular da vida. Hoje você visualiza sua melhor versão conforme os recursos de que dispõe atualmente. Quando chegar nessa melhor versão, ou simplesmente mudar sua percepção da realidade, novos patamares de ascensão surgirão.

Sempre haverá algo para aprender, para melhorar, para ampliar. A vida é um caminho de constante evolução. Alcançar sua melhor versão não se trata de chegar num determinado ponto, mas entrar numa jornada contínua de descoberta e aprimoramento de si mesmo.

 

NÃO ESPERE SE SENTIR INCOMODADO PARA MUDAR

 

A esmagadora maioria das pessoas só busca mudança quando se sente incomodada com a situação atual. Coaches, terapeutas e outros profissionais que trabalham com o desenvolvimento humano estão acostumados a lidar com pessoas que se sentem mal com a realidade que vivem hoje.

Basicamente o trabalho desses profissionais é encaminhar a pessoa do seu estado atual para um melhor. Nesse ponto, voltamos ao abismo que separa quem se acomoda de quem busca sua melhor versão.

Aquele que se acomoda só muda quando está realmente incomodado com a realidade em que está vivendo. Essa pessoa vai procurar por todos os remédios que mudem seu estado atual da maneira mais cômoda e rápida possível. Ele não quer pensar nisso e se revolta com essa situação. Busca por uma pílula mágica que resolva tudo.

Uma vez que se sente bem novamente a pessoa se acomoda nesse novo ponto de equilíbrio se sentindo mais ou menos. Às vezes está bem, às vezes está mal, mas não chega a se incomodar a ponto de ter que enfrentar o comodismo.

Já quem percebe a vida como uma constante evolução se movimenta porque deseja se aprimorar. Porque quer se integrar e entender mais do universo. Essa pessoa pode passar pelos mesmos profissionais, receber os mesmos remédios e tratamentos do acomodado, mas ela não irá parar simplesmente porque não sente mais o incômodo.

Essa pessoa entende e sente que a vida é mais do que dor e prazer, mais do que sobreviver. Buscar algo mais passa a fazer parte do seu modo de vida. Tudo isso é um processo e passa por diferentes estágios. Isso faz parte da busca pela sua melhor versão.

A partir do momento que você percebe que pode ser mais do que é hoje não precisa esperar se sentir mal para mudar. Não precisa mais ficar oscilando entre o ruim e o bom e pode passar a oscilar entre o bom e o melhor ainda. Pode estabilizar no ótimo. Pode sempre melhorar, desde que seu movimento seja alimentado por querer algo mais.

 

Ser a sua melhor versão - Infográfico

 

Se gostou do texto compartilhe nas suas redes sociais para que outras pessoas também possam refletir sobre isso.

Rodrigo Poiesis