É difícil imaginar alguém que nunca tenha encontrado uma pessoa que acredite sempre saber o que é melhor para todos. Querer estar sempre certo é desgastante para quem convive com uma pessoa assim e também para quem se esforça continuamente para estar sempre certo.

Antes de qualquer coisa, é importante diferenciar quem acredita estar sempre certo daquele que defende um ponto de vista que acredita ser o correto. O primeiro precisa estar certo, independente daquilo que defende fazer algum sentido.  O segundo luta por demonstrar suas razões com embasamento em algo que tem forte convicção.

Aqui estamos falando daquele que tem a necessidade de sempre estar certo, de dar a última palavra, de sair “vitorioso” de uma discussão. Um problema que impacta diretamente nas relações com as outras pessoas. Para começar a falar do tema é importante entender o que motiva essas pessoas a agirem assim.

 

POR QUE AS PESSOAS QUEREM SEMPRE ESTAR CERTAS?

 

Se fosse para resumir em uma palavra poderíamos usar a insegurança como o grande motivador das pessoas que buscam sempre estar certas. Mas há mais do que isso em jogo quando conversamos com alguém que só aceita o próprio ponto de vista.

Começando pelo ego, as pessoas que querem sempre estar certas tem seu mundo muito focado em si mesmas. Passam por cima do ponto de vista, da opinião e pensamento dos outros. Mesmo que não tenham intenção, acabam gerando discussões e ferindo as pessoas ao redor para impor a sua crença no que é o correto.

Fazem isso, porque o medo de estar errado ou de falhar é maior do que qualquer outra coisa. O erro pode estar ligado com o sentimento de ser excluído, não ser valorizado e diferentes formas de sofrimento. É quando a insegurança alimenta essa voraz necessidade de estar sempre certo.

Além da motivação com base no medo, ainda existe a recompensa de se sentir saindo vencedor de uma discussão. Lá está ele de novo, o ego sendo alimentado pela sensação de ser melhor, de ter o poder de dizer aos outros o que é o certo e o errado.

De um lado temos a insegurança de errar e ser excluído ou diminuído frente as pessoas que sabem das coisas. Do outro lado temos a satisfação de ser a pessoa que sabe o que é certo. É difícil não se deixar levar pelo caminho de se mostrar sempre certo. Mas as pessoas que “não estão sempre certas”, como ficam?

Quando estão vivenciando situações em que precisam mostrar que estão com a razão, mesmo os indivíduos mais empáticos acabam esquecendo das pessoas ao redor. Quanto maior é a insegurança de alguém, maior a luta dela para se mostrar certa. Nesses momentos a percepção do que o outro sente vai desaparecendo – tchau empatia!

 

CARACTERÍSTICAS DAS PESSOAS QUE QUEREM SEMPRE ESTAR CERTAS

 

Querer estar sempre certo gera certas características que são comuns as pessoas que vivem dessa forma. São atitudes que acabam prejudicando as pessoas ao redor e tornam aquele que quer sempre estar certo difícil de conviver.

Talvez a característica mais fácil de perceber em alguém que quer estar sempre certo é a capacidade de transformar uma simples conversa numa discussão calorosa. Um assunto que poderia passar como algo banal para qualquer outra pessoa pode se tornar motivo de disputa para aquele que sempre precisa fazer o seu ponto de vista prevalecer.

Nessas discussões mais tensas a outra pessoa, mesmo sendo alguém muito amado, pode se tornar um verdadeiro inimigo naquele momento. Alguém que precisa ser derrotado na discussão de qualquer modo. Daí pode surgir certa agressividade na forma de se comportar como gritos, resmungões ou posturas corporais de intimidação.

Se aquele que quer impor o seu ponto de vista não consegue isso numa discussão, a probabilidade de ficar emburrado com a outra pessoa é grande. Pode reagir atacando a outra pessoa que não saiu convencida dos seus argumentos. Como resultado começa a falar mal e tenta diminuir o outro.

Outra característica marcante das pessoas que querem estar sempre certas é a falta de bom senso e a dificuldade de encontrarem um meio-termo. Ou as coisas são do jeito delas ou não são. Isso vai criando uma tendência a intolerância.

 

CONSEQUÊNCIAS DE QUERER ESTAR SEMPRE CERTO

 

Como você já deve ter imaginado ou vivenciado, a convivência com quem quer estar sempre certo é difícil. A consequência mais marcante é o distanciamento de outras pessoas. Podendo chegar até um isolamento social, o que desencadeia a solidão.

Mesmo sofrendo com a solidão aquele que quer sempre estar certo pode não se dar conta da dificuldade que é a convivência com ele. Isso só torna a situação mais difícil, pois ele insiste na sua maneira intransigente de ser.

Existem situações que é difícil se distanciar de pessoas que sempre querem impor seus pontos de vista. Em casos assim, mesmo não havendo um distanciamento físico, existirá o distanciamento psicoemocional. São relações com pouca ou nenhuma conversa e sem envolvimento emocional, apenas um desconforto por estar próximo.

Não há como desconectar o nosso campo mental e sua conexão com o físico. Existem efeitos psíquicos como ansiedade e estresse e físicos como gastrite e úlcera que podem acometer a pessoa que tem a necessidade de sempre estar certa. É importante considerar que lidar com essa situação também é questão de saúde.

 

VOCÊ QUER TER RAZÃO OU SER FELIZ?

 

Certa vez, o poeta Ferreira Gullar disse que não queria ter razão, queria ser feliz. Essa fala remete a reflexão do quanto é importante se impor um ponto de vista em relação ao bem-estar de viver em harmonia, independente do que as outras pessoas pensam.

Viver sabendo que é mais importante o seu entendimento individual do que o convencimento dos outros de que a sua verdade é a correta é fundamental para ser feliz. Que o importante é quem você é na sua essência e aquilo que acredita e sente e não o que os outros pensam de você.

Quando a pessoa vive aberta a novas verdades, novos pontos de vista, não há motivo para se agarrar a velhas ideias ou hábitos. Assumir que a vida é uma metamorfose ambulante é viver integrado a natureza e a sua evolução que tem como base a mudança.

Para alcançar esse patamar de bem-estar é preciso se libertar das ideias e comportamentos imutáveis que agem como muros para novos conhecimentos, hábitos e realizações na vida. É preciso se abrir para a vida e suas incríveis possibilidades de transformação.

 

 

PRISIONEIRO DO ACERTO

 

Certezas nessa vida?

Só a de que tudo muda.

O que se diz hoje

Pode não valer amanhã.

 

Para evoluir é preciso se abrir

Para novos entendimentos

E saber que até mesmo o fim

Traz novos começos.

 

Aquele que receia perder o controle

Perde a liberdade de agir livremente.

Se torna prisioneiro de si mesmo.

 

Só é livre quem se permite errar

E com seus erros aprende

Formas de se reinventar.

Rodrigo Poiesis
Últimos posts por Rodrigo Poiesis (exibir todos)