Quem eu sou? O que eu quero? Aonde estou indo?

 

Três perguntas fundamentais para saber se sua vida está fazendo sentido. Quero dizer, se você vive uma vida com a qual se identifica e que gera crescimento e bem-estar naquilo que faz. Se você conseguir responder a essas perguntas com tranquilidade e ficar em paz com as respostas é sinal que está tendo uma vida equilibrada e está construindo algo de valor. Mas se não conseguir responder a essas perguntas com clareza para você mesmo, isso é um indicador de que você pode estar perdido em seu caminho e, provavelmente, sofrendo por causa disso. Esse sofrimento pode estar relacionado as expectativas em relação a pessoa que você quer ser e as coisas que deseja ter. Quando essas expectativas correspondem ao que os outros acreditam ser o melhor e não com o que você sente, com sua essência, isso irá gerar um conflito que vai aumentando ao longo do tempo. É o dever de ter e ser.

Se está se perguntando se você se conhece de verdade e por onde poderia começar a se aventurar em seu próprio interior acesse o texto conhecer a si mesmo e nosso mundo desconhecido. Se sua reflexão pede por aquilo que você quer, descobrir as coisas que para você tem valor, acesse o texto o valor de cada coisa. Mas se preferir refletir sobre o caminho que está a sua frente leia os textos o que o futuro nos reserva e realizar um desejo.

Cada um tem suas próprias respostas e trajetos a percorrer ao longo da vida, mas nem sempre conseguimos acessar com facilidade essas respostas. Na verdade, costuma ser algo bem difícil se não houver um esforço contínuo em observar a si mesmo, a forma como reagimos as coisas que nos acontecem e aquilo que faz nosso coração bater mais forte – o que nos faz sentido, nos faz feliz. Se não buscamos nossas próprias respostas e definimos nossos objetivos, ficamos perdidos e sem uma direção clara a seguir, sentimos a pressão externa que nos diz dita como nos comportar, o dever de ter e ser, apontando aquilo que devemos possuir e a forma como devemos agir para sermos aceitos e termos sucesso.

Vivendo em meio a uma sociedade que busca a padronização de tudo e todos, ao mesmo tempo que valoriza apenas os melhores, os que se destacam entre os padronizados, é fácil nos sentirmos menosprezados, deixados de lado. Afinal, são padrões que poucos alcançam, baseados numa imagem de perfeição que resulta em felicidade. Mas será que esses poucos que se destacam como melhores dentro dos padrões da sociedade atingem a felicidade por causa disso?

 

Você já se sentiu obrigado a provar algo?

 

Você precisa ser o melhor, você precisa mudar o mundo (sem fugir dos padrões estabelecidos), é a forma de obter sucesso e felicidade. Buscar isso é ser aceito, é saber o que é o certo e poder estar junto das pessoas bem sucedidas na vida. A sociedade diz que para você se destacar é preciso ser o melhor de todos e os diferentes não são aceitos da mesma forma, mesmo escolhas simples do cotidiano que não acompanham o que os outros fazem podem fazer com que você se sinta excluído. Parece que não temos muita escolha, a não ser viver segundo as diretrizes sociais seguindo os padrões de comportamentos tidos como os mais corretos e aceitos. Devemos seguir cada fase de nossas vidas comprando, consumindo, nos relacionando e comportando conforme determina o senso comum.

Será que todas as coisas que você possui são necessárias ou você adquiriu porque realmente queria? Até que ponto somos influenciados pelas ideias e conceitos da sociedade e em que momento começamos a ser nós mesmos? Para responder a isso precisamos começar a nos conhecer. A partir daí temos autonomia para tomar decisões baseadas no que sentimos verdadeiramente em relação a quem nós somos e não alguém que precisa se moldar a padrões predefinidos.

Não estamos falando aqui de certo ou errado, ou se há algum problema em tomar decisões com base no que os outros fazem, mas perceber que, seja qual for a escolha que tomarmos, ela ter como base o conhecimento que temos de nós mesmos. Naquilo que nos faz sentido e nos realiza, pois só assim encontraremos a felicidade. O principal é encontrar dentro de nós as respostas para o que queremos, as coisas com as quais nos identificamos e aquilo que nos engrandece, nos faz sentir realizados. Sabendo disso, com o tempo podemos ir adaptando nossa realidade de acordo com nós mesmos. Sem medo de ser feliz, sem medo de sermos quem somos de verdade. Se abrindo para o universo ele se abre para nós.

 

 

CORRENDO DE SI

 

Buscamos respostas ao nosso redor.

Percorremos grandes distâncias

Acreditando que a verdade está por aí

Esperando ser encontrada.

 

Não ouvimos a voz dentro de nós

Não acreditamos em nós mesmos.

Entregamos nossas escolhas a outros

E sofremos sem entender onde erramos.

 

Repetimos um ciclo invisível

Que nos sufoca e nos tira o brilho.

Enquanto a verdade dentro de nós

Amarga uma existência desconhecida.

Infográfico - O Dever de Ser e Ter

 

Rodrigo