EU TENTEI

É verdade, eu tentei. Não acredita? Não importa, no momento, nada mais importa… Estou cansado e as ideias já não se conectam direito e não sei ao certo por qual direção seguir. Os dias foram tão corridos que mal me dei conta de tudo que passou, tudo que ficou na memória foi a lembrança do erro e, mesmo errando, voltei a tentar.

Era mais um fim de semana que começava, todos ansiosos para descansar e se divertir, mas não eu, pois tinha algo para fazer e a semana seguinte seria tensa e cruel. Um erro poderia pôr tudo a perder. Todos contavam com meus resultados, todos acreditavam que eu iria lá e me sairiam bem como todos os outros. Mas na minha cabeça não era assim tão simples, pelo contrário, o caos estava instalado em meus pensamentos imaginando as mil e uma situações que poderiam dar errado.

Eu não queria ser assim, queria poder ter os pensamentos tranquilos como aquela mulher do trabalho que vive falando em meditação e ioga ou então ter o foco e agressividade do meu chefe. Os outros vivem me dizendo que eu devo ser diferente, me posicionar, fazer valer o meu espaço e mostrar do que sou capaz. Eu até tentei ser assim, mas não deu muito certo. Estou cansado dos outros dizendo o que tenho que fazer, mas mesmo não sendo quem eles queriam eu tentei melhorar.

Foram várias noites mal dormidas, falta de apetite e um certo desânimo. Quanto mais perto estava do fatídico dia, mais nervoso eu ficava, tanto que eu parecia não ter comando dos meus movimentos, era movido por pura ansiedade, puro instinto de seguir em frente. Para quem me via tudo aparentava estar bem, enquanto internamente o conflito era intenso. Foram vários “olá, como vai?” recebidos e seguidos de um “oi, tudo bem e você?”, tudo acompanhado de um belo sorriso amarelo. Mais vazias que essas palavras só o ar frio do meu estômago que parecia querer me paralisar, me “salvar” do perigo enquanto ainda era tempo.

Chegado o grande dia em que iria expor todo o meu esforço até ali eu já não pensava se algo iria dar errado, eu só acompanhava a movimentação de todos ao meu redor como que em câmera lenta, os passos, as vozes, os barulhos dos objetos ao redor pareciam ecoar muito mais alto que o normal. Eu suava frio, minhas mãos tremiam levemente (será que alguém percebeu?), mas mesmo assim não me deixei abater, engoli em seco e juntei forças para começar. Tudo parecia normal no início, até que comecei a falar e o silêncio foi total. Eu era o centro das atenções e todos olhavam para mim parecendo me avaliar, eu só me preocupava em não gaguejar.

Incrivelmente tudo correu bem, todos me aplaudiram e parabenizaram, naquele momento eu tinha sido aprovado. Todo o nervosismo foi embora como que por encanto dando lugar a uma grande leveza. Todos parecendo contentes me davam tapinhas nas costas e, em meio a essa alegria geral, voltei para casa sabendo que minha vida iria mudar bastante a partir de agora. Havia conseguido alcançar algo que muitos almejam e poucos conseguem, mas porquê eu não me sentia bem? Por qual motivo sentia essa nuvem negra pairando sobre minha cabeça?

No fundo eu sabia, eu sempre soube, era a esmagadora certeza, de que eu havia feito a escolha errada e insistia no erro. Eu me afundava tanto nisso que parecia não ter mais volta.

Não foi por falta de preparo que falhei, não foi porque minha apresentação estivesse ruim ou porque o conteúdo era fraco. Eu falhei porque venci a disputa em me igualar aos outros e a fazer parte de algo que nada tem a ver comigo. Falhei, porque acreditava que desistir era o mesmo que perder, mas agora entendi que desistir pode significar fazer uma segunda opção, um recomeço.  Sei que ninguém espera por isso, mas eu já decidi, vou desistir de toda essa conquista. Não há glória num coração vazio, nem sentido em lutar por algo que não traga felicidade. Sei que todos ficarão surpresos, pois ninguém conseguirá conceber uma escolha tão duvidosa de trocar o certo pelo incerto. Mas para mim, esse incerto é a única e verdadeira opção. Eu tentei, tentei ser como os outros e ter a vida que todo mundo quer ter, mas desisti, porque essa não é a vida que quero para mim.


 

Gostou? Compartilhe o texto pelas redes sociais :)