DA VIDA NÃO QUERO MUITO

DA VIDA NÃO QUERO MUITO

Da vida não quero muito, quero apenas minhas melhores lembranças e o sentimento de dever cumprido daquilo que me propus a fazer. Talvez (provavelmente) os resultados não tenham saído como planejado e o que era previsto não aconteceu, ao menos, não como deveria. Mas tudo que foi feito mostrou um novo caminho, despertou novos aprendizados e me mostrou que valeu a pena.

A vida é passageira, ou nós somos passageiros da vida, e o tempo é nosso guia. Seguimos comemorando cada ano a mais que passamos vivos, mas procuramos não pensar que lá se foi um ano a menos na contagem do nosso tempo de vida. Mas isso realmente importa? O que importa?

 

O que alguém pode querer da vida?

 

Os amores que tivemos, as saudades que ficaram, os momentos mais intensos, as descobertas realizadas, as conquistas alcançadas… Há tanto para recordar, há tanto do que se orgulhar. Da vida não quero muito, apenas o tempo de reviver os melhores episódios e a certeza de que minha trajetória não ficará esquecida na história.

Já quis ser aviador, sonhei também em ser jogador, mas o que alcancei não estava bem alinhado ao que outrora imaginei. Não sei como seria minha vida como aviador ou jogador, sei como ela foi de acordo com aquilo que construí e com as experiências das pessoas com quem convivi. Se isso não bastar para mim é só pensar que no mundo há mais do que o meu querer e que o valor da vida está na vida em que vivi – não naquela que sonhei para mim.

 

O tempo voa…

 

Os dias passam rápido, é verdade, mas não posso deixar de parar para apreciar o que está ao meu redor, as possibilidades infindáveis que tenho e os novos anseios que estão a todo momento a surgir. Não posso ficar parado, não posso desanimar, a vida é feita de movimento e o espelho está aí apenas para eu me recordar… que os anos passam, que a vida é curta e tudo que faço conta.

Triste é não poder lembrar ou apreciar tudo que passou, não crescer com os erros, não se orgulhar dos acertos, não sentir emoções profundamente e se deixar mergulhar na imensidão das emoções.

O tempo pouco importa, a vida não é competição de quem vive mais, o que nos faz sentir vivo é a intensidade com que as coisas acontecem. Viver apenas com o objetivo de se manter vivo é como assistir um filme se projetar sem dele nunca participar.

 

É tão difícil assim viver?

 

Às vezes parece que é difícil viver, estamos apenas lutando para sobreviver, esquecemos dos motivos que nos fazem querer seguir e acabamos nos sentindo esquecidos e perdidos. Nos anestesiamos endeusando celebridades fugazes e ansiando conquistas materiais para preencher o vazio que temos por dentro. A verdade é que carecemos de sentido, de algo maior do que nós mesmos, que nos dê direção e sentido.

 

Da vida não quero muito, quero apenas o retrato de mim mesmo, o antes e o depois da minha história. Saber o quanto cresci, lembrar das aventuras que vivi, das pessoas que encontrei e o quanto compartilhei. Da vida não quero apenas as lembranças, quero a imortalidade, quero viver além da minha própria vida, saber que além de mim tem mais alguém por aí e que o ciclo de crescimento continua. Perder o sentido do eu para viver também em você, saber que tudo continua e não há porque eu querer algo que você também não pode ter.

 

E você, o que quer da vida?

 


 

Acabe com a ansiedade

Gostou? Compartilhe o texto pelas redes sociais :)