O cheirinho de café pela manhã

Me inebriou quase sem eu perceber.

É quase um pecado sair sem beber.

 

Aroma envolvente que deixa alerta,

Sabor intenso que desperta,

Sensação de calor acolhedor.

 

Meus avós sempre tomaram,

Meus pais sempre tomaram,

Amigos e conhecidos sempre tomam.

 

É quase algo sagrado na rotina.

Até que não foi mais,

Pois descobri que nunca gostei de café.

 

 

Conhecer a si mesmo começa com você descobrindo se realmente gosta de café ou isso é apenas um hábito condicionado em sua vida. No fechamento do post relacionamentos reais eu comentei a respeito da necessidade de nos conhecermos verdadeiramente para que possamos vivenciar relacionamentos reais e termos condições de conhecer as pessoas com as quais convivemos. Mas conhecer a si mesmo vai muito além do relacionamento que criamos com outras pessoas, é algo fundamental para vivenciarmos uma vida plena. Ter consciência sobre nós mesmos nos dá o poder de dirigirmos nossas vidas para direções que realmente importem e façam sentido.

 

Se você já passou, talvez ainda passe, por situações em que as coisas que estava fazendo não tinham sentido, se as dúvidas por aquilo que faz constantemente invadem seus pensamentos e castigam sua paz de espirito ou se simplesmente está tudo perfeitamente bem aos seus olhos, mas o coração diz que falta algo, é o seu eu interior lhe dizendo que algo está errado. É aquela vozinha da consciência que só costumamos dar ouvidos em casos extremos, quando chegamos a certos limites que moralmente não deveríamos ultrapassar.

 

SUA VOZ INTERIOR

 

A sua voz interior está sempre se comunicando com você, assim como a dor e o sofrimento que sentimos, ela tem uma função importante (entenda mais no post Sofrimento). Essa voz está presente em tudo que fazemos e existe para nos avisar que tem algo de errado, ou que algo pode ser mudado, pois tal escolha não condiz com sua essência. É um alerta que faz parte da nossa consciência, mas que nem sempre damos ouvidos. É complicado escutarmos o que se passa dentro de nós enquanto lidamos com tantas outras vozes externas nos dizendo o que devemos fazer ou qual é a forma correta de nos comportarmos.

Se desligar, mesmo que por um momento, das percepções externas para uma conexão interior é dar voz a nós mesmos. Por tudo que presenciamos no dia a dia parece ser mais fácil simplesmente aceitar as formas de viver que nos apresentam e fazer as escolhas que já foram feitas. Assim somos aceitos, assim fazemos parte de algo, também acabamos vivendo uma vida que não é nossa e não faz sentido. Essa falta de sentido é o que nos faz perder ao longo do tempo em vícios, mal hábitos, sentimentos depreciativos e diversas formas de sofrimento.

Conhecer a si mesmo é algo complicado, pois a partir do momento em que vamos nos encontrando e passamos a ser quem realmente somos tudo muda. São relacionamentos que se desfazem, outros (raros) podem se fortalecer, escolhas excêntricas (aos olhos dos outros) podem surgir, o que antes tinha valor passa a não ter mais, enquanto outras coisas que você sequer enxergava passam a ganhar vida. O encontro consigo mesmo é solitário e chocante, um choque comparável ao do nascimento, do primeiro contato com o mundo. É um nascimento em si mesmo, momento em que passa a se enxergar o mundo com seus próprios olhos e andar por novos caminhos abertos pela consciência.

 

ESCOLHA QUE LIBERTA

 

No começo esse encontro consigo mesmo pode parecer assustador, mas a partir do momento em que você se vê envolvido com você mesmo e descobre quem realmente é, então um novo mundo se descortina e a liberdade se faz presente em suas escolhas. Livre para conduzir sua vida em harmonia com seu coração, suas crenças e com aquilo que lhe dá bem-estar. As amarras que antes lhe prendiam as escolhas dos outros vão se desfazendo e, naturalmente, você vai percebendo que muitas coisas que antes pareciam tão importantes, agora já não fazem mais sentido. O peso e a culpa que carregava por não ser perfeito aos olhos dos outros vai se diluindo e se transformando em força vital que lhe impulsiona para novos projetos e experiências.

Essa transição necessária é o que nos dará as respostas corretas, aquelas que irão preencher o coração, que darão sentido as nossas escolhas e aquilo que fazemos em nossas vidas. Você pode começar a trilhar esse caminho ouvindo o que sua voz interior lhe diz. Pare de ignorar o que sente e aquilo que faz sentido para você (mesmo que não faça para os outros). Você é um ser único com motivações e desejos únicos também, cabe a você descobrir o que dá sentido à sua vida e aquilo pelo qual você deseja viver. Há tanto a se fazer, há tanto a se colher, isso tudo que atualmente vemos na nossa frente é apenas o ponto de partida para aquilo que podemos vir a ser.

Eu sinceramente espero que você dê essa chance a você mesmo e tenha a coragem de dar o primeiro passo em direção ao seu eu interior. Pode não ser fácil no começo se desvencilhar de certas rotinas e coisas com as quais estamos acostumados e vivenciar e aceitar, tampouco lidar com as pessoas que agem e pensam puramente como manada. Mas chegará o momento de abraçar a si mesmo e construir uma nova e autêntica existência, momento este que tudo passa a ter sentido. 

Rodrigo Poiesis