PRA NÃO DIZER QUE NÃO FALEI DAS FLORES

Iniciada no final de março do ano de 1964 a ditadura militar no Brasil estabeleceu censura à impressa e restrição aos direitos políticos. Com o poder centrado nas mãos dos militares até o ano de 1985 o país presenciou a falta de princípios básicos da democracia e a perseguição daqueles que eram opositores ao regime. A voz de muitos eram caladas e a luta pela liberdade de expressão foi marcada por diversas manifestações.

Foi neste cenário de repressão que nasce a música Pra não dizer que não falei de flores, também conhecida como “Caminhando”, que expressa a experiência e sentimento de muitos brasileiros que vivenciaram esta época. Caminhando e cantando, seguindo a canção, somos todos iguais, braços dados ou não – As passeatas que marcaram diversos protestos que contestavam o regime existente e o desejo de mudança unia diferentes vozes em torno de um mesmo objetivo. Nas escolas, nas ruas, campos, construções – As manifestações eram um desejo de uma maioria que estava espalhada por diferentes lugares e profissões. Vem, vamos embora, que esperar não é saber – Não dava para ficar parado, era preciso chamar todos para dar voz a mudança, mesmo com a retaliação a quem fosse contrário ao regime era preciso agir. Ainda fazem da flor seu mais forte refrão e acreditam nas flores vencendo o canhão – Era preciso seguir com suas convicções e crer que o sentimento de mudança teria a força necessária para vencer a repressão imposta pelas armas.

A composição feita no ano 1968 por Geraldo Vandré se tornou um hino do movimento opositor a ditadura e reflete um período marcante do país repleto de sentimentos reprimidos onde a arte foi um dos principais meios de expressão da sociedade frente as ações do governo.

 

 

Atualmente já temos algumas gerações que nasceram após o período de ditadura militar e pouco conhecem sobre esta época. O direito ao voto já não é tão valorizado e as pessoas aceitam de bom grado muitas situações impostas sem questionar muito em troca da satisfação obtida dos seus desejos que estão mais focados em coisas do que em pessoas ou sentimentos. Será que ao longo do tempo vamos perdendo o valor da liberdade? Qual a nossa luta atual para garantir um futuro melhor?  

 

 


 

Gostou? Compartilhe o texto pelas redes sociais :)